A solidão da luz! II

Dez e trinta da noite e a solidão da luz é como um oco. Um espaço vazio sem bordas e sem fundo. Um vazio sem sentido, cheio de um sombrio volume. O nada.

Disseram que um homen saiu pelos mercados procurando Deus. Mas ele não o encontrou. Um dia depois ele saiu gritando pelas ruas: “Deus morreu! Deus morreu”. De noite estava muito cansado. Parecia que um peso descomunal o pressionava de dentro para fora querendo estilhaçar o seu corpo. Era a escuridão, a falta de sentido existencial.

No terceiro dia esse mesmo homem, debruçado em cima da pequena mesa da sala,  escreveu em seu velho caderno de anotações: “Estamos sozinhos neste mundo. Só e sem Deus. Órfãos. Não existe consolo e nem eternidade. A luz que enche o dia é tudo – o sol.” Fechou o caderno, saiu no quintal e deu um grito como um louco: “Liberdade!!!”.

Os vizinhos acharam aquilo muito estranho, embora já estivessem acostumados com suas maneiras estranhas. O homem não era um louco, nem visionário e nem um profeta da morte de Deus. Ele sempre procurou a liberdade de uma mentalidade obscura e facilitadora. Agora ele era livre. Livre de um mundo cheio de amarras, como  de um pensamento estreito cheio de fascínio e mistério. Ele estava cansado dos mistérios e da escuridão.

A “era da luz” trouxe muitas novidades, entre elas a liberdade diante de tudo e diante de Deus. As pessoas querem ser livres e procuram a liberdade. Atualmente traduzimos isso com a expressão: “todo mundo merece ser feliz”. Os momentos difíceis são evitados ou esquecidos. A dor e o sofrimento não deveriam existir depois da época da iluminação. Apenas a felicidade e o gozo de um dia de sol. Antes disso as pessoas estavam acostumadas com os “vãos da existência”. Aqueles vazios de palavras, de consolo, de desejo e de presença, de tristeza, de felicidade e de amor etc. Mas agora parece que isso não deveria fazer parte da vida. A busca de felicidade é tudo como se a luz que enche o dia,  o sol, fosse tudo.

Dez e trinta da noite todo mundo merece ser feliz. A felicidade e a liberdade dependem de um coração. De um coração que saiba temperar a escuridão e a luz. Viver só na luz ninguém poderia e nem conseguiria. Viver dos trechos de claridade e penumbra é um talento. Deus não morreu. O que morreu foi um pensamento sobre Deus que aprisionava e afastava as pessoas dele. O que morreu foi o “nada”, a escuridão. E isso também nos afastou de Deus, porque nos afastou de nós mesmos. Vivemos na época da solidão da luz.

Ronaldo Sérgio

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s