O fogo do fogão a lenha

Fogão a lenha da casa dos meus pais

.

Há imensos cachos de detalhes espalhados aqui e ali em minhas lembranças. Lembranças? Ah… que pena se o fossem. Pois lembranças deixam exatamente de ser o que são quando lembradas. Tornam-se realidade. Que bom, assim os são. E foi nesta manhã chuvosa de domingo, como se eu estivesse colhendo cachos de uvas maduras e comendo-as, sentindo o sabor da casca estourando-se entre meus dentes e enchendo a minha boca com seu suco delicioso, que fui vendo, ouvindo, sentindo o cheiro e o calor do nosso velho fogão a lenha.

Na vida da gente, há porções de peripécias de grande valor, embora sejam simples. Cândidos gestos da minha mãe, por exemplo, que deixava o seu lugar no fundo da taipa do fogão pra gente se sentar, porque fazia muito frio. Palavras sóbrias do meu pai, enquanto aquecia suas botas, calçava-as e ia pro curral tirar leite. Alegres brincadeiras entre nós, ainda crianças, com a caixinha de fósforo. Ou pequenas desavenças para se sentar no melhor lugar perto do fogo. O fogo que confortava a todos, sem diferença de idade ou de gosto.

O fogão a lenha era (e ainda é) como o coração da casa dos meus pais. Infinitas possibilidades trazia. Criava laços entre nós. Era um espaço de dar prosa, contar histórias, conversar e discutir. Era ali ao redor do fogo que nasciam e morriam as raivas da gente, o mau humor, a agressividade, a falta de respeito e de regra, o egoísmo, as ruindades que nascem conosco ou que vamos assimilando do mundo lá de fora. O fogão a lenha ajudava a família a renovar as coisas velhas, mau resolvidas, com o fogo do respeito e da compreensão, do amor e da esperança.

Que pena que a minha filha crescerá sem ter, literalmente falando, um fogão a lenha em casa. Não por capricho meu, nem da minha esposa. Não porque não queiramos, nem por falta de condições. Simplesmente, é impossivel tê-lo no momento. Como substituí-lo, então? Como criar espaços em casa, que sejam assim como aquele em que cresci?

Pro inferno com as modernas invenções, que destroçam possibilidades, que atrapalham a convivência e que esfriam as relações e quebram laços familiares.  Pro inferno com as beleza tecnológicas e com as facilidades de hoje. Se há coisas positivas nelas? Ah, sem dúvida. Mas, convenhamos, fogão a lenha virtual não existe. Existem caminhos. Sim, as invenção/tecnologias podem ser caminhos que nos levam ao fogão, àquele espaço de vida. Mas, substiuí-lo, nenhuma tecnologia conseguirá.

Meu desejo hoje, ao reviver a força e a importância do sentar-se na taipa de um fogão a lenha e tomar o café quentinho que a minha mãe ou o meu pai preparou, não é outro senão que minha filha também conheça o calor dos meus abraços, o tom da minha voz, a força dos meus passos, a beleza da minha alegria e minha preocupação por ela. Meu desejo é que ela tenha sim um fogão a lenha em casa, mas não virtual, nem televisivo e nem telefônico. Que ela tenha um pai e uma mãe em casa, e que nós nunca deixemos o fogo do fogão a lenha do nosso amor se apagar.

Ronaldo Sérgio

(Razões por que meu blog se chama Rancho das Crônicas)

Anúncios

15 comentários em “O fogo do fogão a lenha

  1. Hey, curti seu blog, você escreve bem, gostaria de te convidar para conhecer o meu também, espero que goste, Obrigado 🙂

    Curtido por 1 pessoa

  2. Caramba, que texto!
    Realmente é uma pena que as relações interpessoais tenham ficado em segundo plano. Mas é confortador saber que há quem as valorize. Nada substitui a pecinha chamado humano.

    Curtir

  3. jomabastos disse:

    O meu comentário já não está?! Com toda a certeza que deu algum erro no blog.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Bruna disse:

    Minha bisavó sempre se sentava ao lado do fogão a lenha e deixava sua xícara de café em cima. Lembro que ela somente bebia quando começava a ferver. Isso fazem mais de 14 anos, mas sempre que eu me sento do lado de um, lembro dela e de sua xícara. Tens razão ao dizer que nenhuma invenção vai ser igual a ela. Tenho dó da geração que está surgindo e não poderá sentir o mesmo que nós ao encontrarmos uma dessas relíquias da infância.
    Se eu pudesse curtir seu post 50 vezes, eu curtiria… obrigada por ter me trazido tão boas lembranças.
    Um abraço!

    Curtido por 1 pessoa

  5. Gostei muito do texto e das sensações que ele me trouxe. Adorei, particularmente, esta frase: E foi nesta manhã chuvosa de domingo, como se eu estivesse colhendo cachos de uvas maduras e comendo-as, sentindo o sabor da casca estourando-se entre meus dentes e enchendo a minha boca com seu suco delicioso, que fui vendo, ouvindo, sentindo o cheiro e o calor do nosso velho fogão a lenha.

    Beijinhos,
    http://www.desapontamentos.com/

    Curtido por 1 pessoa

  6. KAMBAMI disse:

    Confesso que senti o cheirinho desse café aqui. Que bom ter o fogão, que bom ter a lenha, o café e o mais importante o amor que com certeza irá passar com sabedoria a sua filha.

    Abraços! 😉

    Curtido por 2 pessoas

  7. Partilho desse teu saudosismo, amigo poeta. Espero que meus filhos tenham a chance, também, de terem esse contato com o simples. E, mais do que isso, espero ser o pai que consegue tocar os filhos e se aproximar, apesar da distância que a tecnologia impõe.

    Obrigado pelos comentários, sempre generosos, no meu blog, e me perdoe por não correspondê-los com a mesma frequência. Abraço!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s